SAAE-COPO

postheadericon Quanto custa o pão nosso de cada dia


A praticidade mudou a vida do consumidor, fazendo com que ele  encontre todos os produtos num só lugar, economizando o que de mais oneroso ficou para ele, “o tempo”  tão precioso, mas que faz do consumidor refém dos que superfaturam  os preços das mercadorias, fazendo com que o trabalhador diminua seu  consumo, principalmente  dos gêneros de primeira necessidade.
 Muitas vezes, conforme observamos nos bairros, a população se torna regionalista, não por opção, mas, pelas circunstâncias, tendo  que pagar muito mais caro por alguns produtos, como os da cesta básica, que fazem parte da nossa  mesa, como  o leite e o pão nosso de cada dia.
Para exemplificar bem o tema, sobre os abusos de preços e a comodidade que leva o consumidor a “engolir sapos”, vamos falar do pão francês, o famoso pãozinho. Com a mudança da lei  o pão francês que era comercializado por unidade,  passou a ser cobrado  por quilo, um projeto que chegou com objetivo de  baratear o custo para o trabalhador, e   hoje vemos, a livre concorrência de preços de  um produto de alto consumo, que está  ajudando a enfraquecer o bolso e a diminuir seu  consumo na mesa. É um grande  absurdo, ter que pagar o quilo do pão, com  diferenças  20% até 75% a mais do real valor.
Talvez a falta de informação do consumidor, a comodidade em pesquisar preços, faz com que ele não visualize opções de compra, para exemplificar vou citar um de muitos exemplos em nossa cidade :- o Supermercado Lopes do bairro Macedo cobra o quilo do pãozinho  R$4,79 enquanto muito bem próximo em outro  estabelecimento  no mesmo bairro, no Café e CIA ele custa R$ 3,99, e  padaria  City Break, localizada a mais ou menos um km,  R$ 6,90,  todos  comercializam o mesmo produto.
O projeto que veio para beneficiar o consumidor, principalmente os mais carentes, para não faltar o pão nosso de cada dia, tem  tirado este direito. Cada unidade de pão francês, feito nas padarias, ao seu  final  como produto, o custo é o mesmo independente do local,  fica-nos  difícil compreender as disparidades dos preços cobrados.
Voltando ao fato de que a praticidade nos leva a não enxergar “Quanto custa o pão nosso de cada dia”. Então, para ajudar a melhorar a vida dos consumidores guarulhenses, dando-lhes a oportunidade de  opção na hora de fazer suas compras, facilitando sua vida, o Jornal Independente estará semanalmente publicando os preços dos produtos da cesta básica, pesquisa que é realizada por técnicos da Secretaria de Desenvolvimento Urbano (SDU) da Prefeitura de Guarulhos, em 27 supermercados de toda cidade.
A pesquisa trás preços de produtos alimentícios, limpeza e higiene pessoal. Estaremos divulgando os nomes e locais dos produtos mais baratos da semana. Quero salientar, que o supermercado Lopes, Café e Cia, e a padaria City Break, foram  citados como exemplo,através de  pesquisa realizada pelo jornal Independente  por estarem bem  próximos, servindo os mesmos bairros.  

 

http://www.jornalindependente.com.br/diario/images/stories/PDF/independente%201080.pdf
guaru imoveis
http://www.jornalindependente.com.br/diario/images/stories/PDF/independente%201080.pdf
guaru imoveis
http://www.jornalindependente.com.br/diario/images/stories/PDF/independente%201080.pdf
guaru imoveis